USP conclui: vacinas contra o HPV não causaram problemas de saúde em jovens acreanas

Estudo do Instituto de Psiquiatria, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP)

Resley Saab-Agencia
Estudo do Instituto de Psiquiatria, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), revela que a vacina contra o vírus HPV não foi a causa dos problemas de saúde no Acre nas 86 jovens imunizadas que apresentaram complicações com a vacina, no início deste ano no estado.

O documento, intitulado ‘Relatório Médico de Avaliação dos Casos de Notificação de Reação Adversa Grave à Vacina contra o HPV no Estado do Acre’, foi entregue na tarde desta quinta-feira, 28, ao governador Gladson Cameli e ao secretário de Saúde, Alysson Bestene, pelo promotor Glaucio Oshiro, titular da Promotoria de Saúde do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC).

Julio Croda, do Ministério da Saúde, explica ao governador que jovens estão com doença psicogênica em decorrência de um gatilho em massa de medo Foto: Neto Lucena/Secom
Oshiro havia aberto investigação a pedido das mães das meninas, assim como também fez o próprio governador, ao solicitar que o Ministério da Saúde (MS) elucidasse o problema.

No estudo foram avaliadas 74 garotas com sintomas que iam de dores de cabeça e dores nas pernas a febre, desmaios e convulsões. Dessas, 16 casos foram observados pelos médicos por quinze dias, com diversos exames específicos, incluindo a angiografia e os exames cerebrais, sendo sete dias de monitoramento intensivo.

O resultado mostrou que das 16 jovens, dez apresentaram crise psicogênica não-epilética, mais conhecida pela sigla CNEP, um problema de origem psicológica muito parecido com uma crise epiléptica, mas que não tem associação a descargas elétricas da epilepsia. Esses dez pacientes não têm epilepsia, nem qualquer doença neurológica de natureza orgânica (provocada por lesão ou alteração elétrica no sistema nervoso central). Mas dois casos de irmãos foram diagnosticados com um tipo de epilepsia de origem genética que costuma se manifestar na puberdade.

A estimativa dos médicos é a de que 20% dos pacientes atendidos como epiléticos nas clínicas especializadas têm crises psicogênicas não-epiléticas.

De acordo com o médico Júlio Croda, diretor do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis da Secretaria de Vigilância em Saúde do MS, que também esteve na reunião com Cameli nesta quinta, “a situação é muito complexa”, porque o problema afetou a confiabilidade na vacina de boa parte dos pais das crianças e adolescentes do estado.

“Não vamos conseguir resolver facilmente [a recuperação da confiança na vacina]”, diz ele. “É uma desinformação muito grande e esses movimentos já ocorreram em outros lugares, como na Colômbia, por exemplo, que acabou impactando na cobertura vacinal no Chile”, destaca o especialista.

‘Gatilho de medo’ teria desencadeado problemas
Para Lely Gusman, representante da Organização Pan-Americana de Saúde, duas das estratégias mundiais mais eficazes contra doenças são justamente ter o hábito de lavar as mãos e a vacinação. De naturalidade colombiana, ela diz que o Acre viveu mais ou menos o que a cidade de Carmen de Bolívar, na Colômbia, passou há pouco tempo. “Lá, não foi nada fácil contornar essa situação, mas conseguimos”.

Um dos entraves, conforme Julio Croda, é que “a população, e até os profissionais de saúde, desconhecem totalmente o assunto, sendo que alguns deles se aproveitam disso [para disseminar informações falsas ou preconceituosas]”.

“As meninas do Acre têm uma doença e isso é inegável, mas é algo de origem psicogênica e para que isso acontecesse, houve um ‘gatilho’. Um evento de massa pode disparar esse gatilho [que é o medo da vacina] e que pode se perpetuar, inclusive, quando o profissional de saúde também não ajuda, reafirmando que o jovem não está doente”, explica o especialista do Ministério da Saúde.

Em outras palavras, segundo Croda, as meninas precisam de um tratamento psicológico-social e não de medicamentos anticonvulsões, porque os exames mostram que elas não têm epilepsia orgânica. “Se tivessem [epilepsia], o medicamento para o problema surtiria o efeito, algo que não acontece”.

Amparo às adolescentes vítimas e reforço na comunicação
O governador Gladson Cameli autorizou que o secretário de Saúde, Alysson Bestene, proceda com todos os protocolos recomendados pelos técnicos do Ministério da Saúde e do MPAC, após o relatório da USP.

Entre eles está a assistência às jovens vítimas da crise CNEP, e de uma ampla campanha de comunicação para combater a desinformação das pessoas

“Estaremos promovendo todos os esforços para amparar essas jovens e também capacitando os nossos profissionais. Embora tudo se politize no Acre, o nosso governo se preocupou e se solidarizou com as famílias, logo após os primeiros casos, inclusive trazendo uma profissional médica para o estado”, ressaltou o governador.

As crises psicogênicas não são mentirosas. Elas são reais e o objetivo é reorganizar o protocolo, revisando o atendimento e preparando os profissionais que não estão prontos para atender a esse tipo de situação, incluindo os médicos. O entendimento é o de que é preciso acolher e acalmar as crianças e adolescentes e suas famílias.

Segundo Maria Tereza Costa, representante da Organização Mundial de Saúde em Washington, em média 35 milhões de mulheres morrem no continente americano por ano, vítima de câncer no útero. “E a vacina veio para eliminar essa doença nefasta, uma vacina altamente eficaz e segura e que pela repercussão que teve no Acre, passou a ser instrumento importante de esclarecimento nas américas e no mundo”, assevera ela.

Doença tem cunho emocional e reação é automática
Coordenador do projeto de neuropsiquiatria do instituto que realizou os estudos, o psiquiatra Renato Luiz Marchetti, lembra em reportagem publicada no Jornal da USP que “a doença está associada a estresse emocional, que desencadeia uma reação psicológica automática do sistema nervoso”.

De acordo com o cientista, além do medo de tomar a vacina, situações como membros desempregados na família, pais ausentes na criação dos filhos e até participação de movimentos contra a vacina, aliadas a hostilização de profissionais de saúde que não conseguiram diagnosticar o problema podem desencadear a doença.

Há casos, por exemplo, de epidemias de doença psicogênica após o ataque às torres gêmeas, os Estados Unidos, em 2001, quando as pessoas acreditavam estar doentes pela contaminação por antraz ou gás sarin.

MS cobrará de Conselhos de Medicina sanções contra profissionais equivocados
A assessoria jurídica do Ministério da Saúde estará acionando os Conselhos Regionais de Medicina para que imponham sanções contra profissionais de saúde que venham a difundir informações inverídicas.

Este seria o caso da médica Maria Emília Gadelha Serra, segundo o entendimento do MPAC. Convidada a participar de audiência na Comissão de Saúde, da Assembleia Legislativa do Estado do Acre, ela não teria encontrado respaldo científico para afirmar que a vacina é prejudicial e causou os problemas de cunho psicogênico.

“Essas pessoas devem ter em mente que esse tipo de comportamento que é político e não científico, compromete a imunização das pessoas e pode causar prejuízos irreparáveis às famílias, que ficam desprotegidas. Não podemos permitir um recrudescimento do câncer e de outras doenças cuja proteção se dá por vacinas à custa da irresponsabilidade de profissionais desinformados”, diz Maria Tereza Costa.

Deixe seu comentário

comentários